SALVE EUOVO!!!

Sempre houve a intenção de transformar o blogui em site, rádio on-line e tudo mais. Mas para esta tarefa é necessário suporte financeiro.

Para isso o blogui abre esta campanha de financiamento colaborativo que vai garantir a manutenção e quiçá sua transformação em site etc.

Sua contribuição vai ajudar a manter postagens semanais sobre os mais variados artistas com álbuns em download gratuito, dicas sobre discos a baixar, podcasts, novos lançamentos em streaming, retrospectivas e listas de melhores discos de cada ano – incluíndo listas de melhores álbuns dos anos passados como por exemplo 1964, 1999, 1986, 1971 entre outros anos.

Por isso o blogui encerra este período de hiato na esperança de alcançar o aporte financeiro necessário para dar continuação aos trabalhos por mais um ano.

Então para manter o blogui ativo... Siga o site vakinha e contribua neste processo.

Quando atingirmos a meta... Vamos dobrar a meta... E ai quem sabe? Venha um site... Uma radio on-line... Canal no youtube... E tudo mais... Valeu!!!

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006

AGORA EU ERA HERÓI

Morreu Sivuca, aos 76 anos de um câncer na laringe. Sivuca, Severino Dias de Oliveira, nasceu em Itabaiana na Paraíba, em 1930. Começou tocar sanfona aos nove anos de idade e aos 18 estudou com o maestro Guerra-Peixe. Gravou o primeiro disco em 1950 em parceria com Humberto Teixeira, com quem compôs “Adeus Maria Fulo”.

Sivuca morou em Portugal, França e nos Estados Unidos. Foi no país norte-americano que Sivuca arranjou a canção “Pata Pata”, eternizada por Mirian Makeba. Sivuca compôs em parceria com Chico Buarque a famosa canção “João e Maria”, “agora eu era herói, e o meu cavalo só falava inglês...”. Clara Nunes também eternizou uma canção de Sivuca, “Feira de Mangaio”.

Sivuca brincava com sua semelhança com Hermeto Pascoal, tanto que os dois chegaram a compor juntos e a música ficou conhecida como “Nosso Encontro”. Nos últimos dois anos, Sivuca foi agraciado com o Prêmio Tim de Música. Em 2006, Sivuca ganhou o prêmio de melhor arranjador pelo disco “Sivuca Sinfônico”, gravado com o Orquestra Sinfônica de Recife. Em 2005, ele recebeu os prêmios de melhor disco instrumental, com a parceria com Dominguinhos e Oswaldinho do Acordeon, “Cada um Belisca um Pouco”, e melhor arranjador.

Sivuca morreu no Hospital Memorial São Francisco em João pessoa, onde lutava contra o câncer na laringe há alguns anos. Deixou a mulher Glória Gadelha, com quem também gravou inúmeras parcerias.

1997 ENFIM SOLO

1. Aboio (Improviso)
2. Quando me lembro
3. Da cor do pecado
4. Subindo ao céu
5. Dino pintando o sete cordas
6. Guacira
7. Em nome do amor
8. Ainda me recordo
9. Lembrando do Recife (Potpourri de frevos)
10. Forro praieiro (Improviso)
11. Canção que se imaginara
12. Aquariana
13. Véu de grinalda (Slorhaler)
14. Tocata em ré menor

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

RADIODUB ON THE DREAD SIDE OF THE MOON

O Dub é um estilo derivado do reggae jamaicano, que era utilizado pelos artistas gravarem lados-B de seus compactos ou lançar o mesmo produto numa embalagem nova. O dub usa e abusa de ecos de bateria e foi beneficiado pelo avanço da música eletrônica e conquistou de vez o mundo, virando um ritmo da Jamaica.

A Easy Star All-Stars, foi formada em 2003 por Michael “G.” Goldwasser e Victor “Ticklah” Axelrod, músicos nova-iorquinos. No mesmo ano eles lançaram a versão dub para o álbum emblemático Dark side of the moon, do Pink Floyd. O disco lançado tinha as músicas na mesma ordem do disco do Pink Floyd, e ainda trazia mais quatro músicas.

Em relação à lenda que o disco de Roger Waters, David Gilmour, Mick Mason e Richard Wright, que o Dark side of the moon podia ser sincronizado com o filme "O Mágico de Oz", dirigido por Vincente Minelli e com Judy Gargland, a Easy Star declarou que as versões dub para o clássico do Pink Floyd, também podiam ser sincronizadas com o filme. Mitos a parte, mas o ritmo jamaicano, dub, pareceu encaixar com tanta perfeição nos arranjos que as músicas podiam ter sido compostas para aquele trabalho.

Os integrantes do Pink Floyd autorizaram a gravação dos trabalhos e receberam cópias do disco Dub side of the moon, mas nunca se manifestaram a respeito. O conceito inicial da banda foi de realizar uma versão de um álbum inteiro. Para isso, Michael G. e Ticklah juntaram um coletivo de músicos reconhecidos no meio artístico, como Gary “Nesta” Pine, do grupo The Waillers, Frankie Paul, Dr. Israel e The Meditations, entre outros. Michael G. e Ticklah usaram sua gravadora, a Easy Star Records para lançarem o projeto.

Em 2006, o coletivo nova-iorquino, lançou outro trabalho, também inspirado em outro disco de rock que marcou época. O novo projeto chama-se Radiodread, uma analogia do nome dos cachos dos rasttafaris com o nome da banda Radiohead. O trabalho em si é o clássico, Ok Computer, que seguia a risca o conceito inicial de lançar versões de um álbum inteiro. Também lançado pela Easy Star Records, o disco Radiodread tem apenas duas músicas a mais do que o original lançado pelo Radiohead. Uma delas é a canção An air bag saved my dub, uma versão dub da música do lado-B do compacto Air bag, do Radiohead, An air bag saved my life.

O Easy Star All-Stars já tocou diversas vezes no Brasil, a ultima foi na Via Funchal em São Paulo.

2003 DUB SIDE OF THE MOON

1. Speak to me/ Breathe
2. On the run
3. Time
4. The great gig in the sky
5. Money
6. Us and them
7. Any colour you like
8. Brain damage
9. Eclipse
10. Time version
11. The great dub in the sky
12. Step it pon the rastaman scene
13. Any dub you like
http://www.4shared.com/file/6601910/301784ab/2003_Dub_Side_of_The_MoonPart2.html

2006 RADIODREAD

1. Air bag
2. Paranoid android
3. Subterranean homesick alien
4. Exit music (for a film)
5. Let down
6. Karma police
7. Fitter happier
8. Electioneering
9. Climbing up the walls
10. No surprises
11. Lucky
12. The tourist
13. Exit music (for a dub)
14 An air bag saved my dub

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

QUEM VAI DUBLAR O SHREK AGORA?

Agora que Bussunda passeia pelo céu vestido de anjinho, e com a notícia do futuro lançamento de Shrek 3, para 2007. Resta a dúvida. Quem vai dublar o ogro querido pelas crianças? A voz do Shrek, utilizada na versão em 3-D da edição especial do primeiro filme em dvd, não é do Bussunda e você sente um certo incômodo. Os extras do dvd Shrek 2 também são dublados por outra pessoa e a sensação é a mesma.
A morte do humorista Bussunda do Casseta & Planeta marcou o inicio deste blogui, está na primeira publicação feita por mim em junho de 2006, Preto com um buraco no meio. Cinco meses se passaram e venho novamente postar o segundo disco do Casseta & Planeta. Também aproveitando que o filme do grupo humorístico ainda esta em cartaz. Este filme é a despedida do Bussunda das telas de cinema e da televisão.
Aproveito para lembrar àqueles que desejam baixar o disco da banda brasiliense Os Cachorros das Cachorras, que o link foi atualizado e esta funcionando. É só clicar no nome da banda.

1994 PARA COMER ALGUÉM

1. Dance dance
2. Nietzsche
3. Moqueca
4. Paulista
5. Maurício
6. Dois cus
7. Surfista
8. Fala Bahia
9. Pastor Josué
10. Caldo verde
11. Apogeu e glória do rock and roll
12. Brinquedo e armar
13. Tensão pré-menstrual
14. Mitocôndria

http://www.4shared.com/file/6547303/ebedea34/1994_Para_Comer_AlgumPart1.html

http://www.4shared.com/file/6547852/edc8c106/1994_Para_Comer_AlgumPart2.html


Os Cachorros das Cachorras

1. Ragga mony
2. Alracir
3. Discoteque no forró
4. Baião de dois bolero-lero
5. Fio de Ariadne
6. Cachorro no maxixe
7. Sexo dos animais (vovô já teve volúpia)
8. 1º caderno dos dependentes do rock
9. O amor louco de pedra (Mancoeba’s reggae)
10. Queda livre
11. Sexo dos animais (versão dance hall)

http://www.4shared.com/file/6538651/941c71f0/1997_Os_Cachorros_das_Cachorras.html

segunda-feira, 23 de outubro de 2006

BUZZING ALL NIGHT LONG

quarta-feira, 18 de outubro de 2006

THE BLUES BROTHERS

O que se pode dizer de um grupo tão extraordinário como The Blues Brothers Band. Originalmente formado por Dan Aykroyd e John Belushi, os dois comediantes criaram um esquete para o programa Saturday Night Live da televisão norte-americana.

Na primeira aparição, a dupla vestiu uma roupa de abelhinha e cantou “I’m a king bee” (“Sou uma abelha-rainha” em português), música de Muddy Waters, eternizada na voz de Mick Jagger no segundo disco dos Rolling Stones de 1964.

No início, os dois comediantes tocavam com os integrantes da banda do programa Saturday Night Live, entre eles, Paul Shaffer nos teclados, Lou Marini no saxofone-alto, Tom Scott no tenor, Tom Malone no trombone e Alan Rubin no trumpete.

A idéia para um show de ano novo partiu da popularidade do quadro, dos irmãos blues, mais conhecidos como “Blues Brothers”. Paul Shaffer ajudou os irmãos blues a escolherem o resto da banda.

Eles convidaram os guitarristas Matt Murphy e Steve Cropper, famosos por tocarem em bandas soul dos anos 60 e o legendário baixista Donald Dunn, que havia marcado o ritmo para ninguém menos que Otis Redding. Na bateria chamaram Steve Jordan, ele não é parente... O show aconteceu no Winterland Ballroom em São Fancisco no ano novo de 1977. Foi apenas um show de abertura para um espetáculo do comediante Steve Martin, e chamou atenção de diversos atores famosos, entre eles Jack Nicholson, que ficou pasmo com a performance da banda.

O show foi lançado em 1978 com o nome “Briefcase full of blues”, e foi um sucesso de vendas. O mesmo show virou um disco pirata com o nome “Live on new year's eve”, ou “Live at Winterland”. Este disco pode ser encontrado no site “Blues Brothers Central”. O fato impulsionou Dan Aykroyd a escrever um roteiro com a dupla como personagens principais. O roteiro foi lapidado por John Landis, que vinha do sucesso de “Clube dos cafajestes” (“Animal house” em inglês), e conseguiu financiamento e a confirmação de várias estrelas da música soul norte-americana.

O filme foi um sucesso e gerou uma continuação sem o mesmo sucesso, rendendo também inúmeros discos com a banda. Como curiosidade, no filme Tom Scott, saxofonista da banda não conseguiu liberação de sua imagem e não gravou nenhuma cena. Porém, as músicas foram gravadas com dois saxofones e no filme só aparece um saxofonista. Outro fato curioso, é que Paul Shaffer, que era o pianista oficial dos Blues Brothers também não conseguiu liberação para aparecer no filme, e quem apareceu em seu lugar foi Murphy Dunne, que ficou famoso como o pianista dos Blues Brothers. Paul Shaffer toca piano no programa de entrevista de David Letterman. Sim, ele é aquele carequinha de voz rouca, que também marcou presença na continuação “Blues Brothers 2000”, também dirigida por John Landis em 98.

Pra quem não curte blues ou jazz, como aula inaugural eu recomendo a audição de “Sweet home Chicago”. Prestando atenção no primeiro solo, o de guitarra, depois Aykroyd e Belushi cantam novamente o refrão e entra o solo de saxofone-tenor de Tom Scott. Depois de tanta barulheira, Alan Rubin entra com seu trumpete apavorando, seguido pelo saxofone-alto de Lou Marini. Murphy Dunne segue solando no piano e depois a metaleira toma conta da música. Se você espera que eu termine a resenha com o final apoteótico da música de oito minutos, se enganou.

Ainda peço uma segunda audição, mas desta vez abaixe os agudos e aumente os graves de seu radinho. Preste atenção na maestria do baixo de Donald Dunn. Preste atenção na hora do solo de saxofone-alto, depois na entrada do piano e quanto a banda toda se junta é o baixo quem comanda. Se você prestar bem atenção, na música inteira, vai reparar muito bem que é o baixo quem comanda a música do início ao fim. Daí pra perceber o motivo porque o próprio John Belushi anunciava Dunn nos shows como o melhor baixista do mundo. Exageros a parte, mas essa afirmação tem um pouco de verdade.

Depois do filme, os Blues Brothers lançaram outro disco ao vivo em 1980 ainda com John Belushi, e um compacto no mesmo ano contendo duas músicas inéditas gravadas em estúdio, “Excusez moi mon cherrie” e “Expressway to your heart”.

John Belushi morreu, levando com ele os sonhos dos fãs do som da banda e da dupla de comediantes, de um dia verem uma seqüência do filme, com os irmãos blues originais. Dez anos depois a banda se reuniu no disco “Ao vivo em Montreux”, com Larry Thurston e Eddie Floyd nos vocais, mas o instrumental era o mesmo, com exceção de Leon Pendarvis nos teclados e Danny Gottlieb na bateria. Dois anos depois, em 1992, a banda lançou um disco de estúdio, “Red, white & blues”, também com Thurston e Floyd nos vocais e a participação do próprio Dan Aykroyd tocando harmônica e cantando algumas canções. Em 1997 Dan Aykroyd se uniu ao irmão de John, Jim Belushi, e tocaram ao vivo no House of Blues em Chicaco. O show virou disco, também com Floyd e Tommy McDonnell nos vocais, e foi muito bem recebido pela crítica. Em 1998 o segundo filme veio, trazendo a participação de John Goodman, Joe Morton e Evan Bonifant nos vocais. Eddie Floyd aparece como convidado, ao lado de Johnny Lang, B.B. King, Sam Moore, Wilson Picket, Erykah Badu e os habituais James Brown e Aretha Franklin. No ano seguinte John Goodman, Jim Belushi e Dan Aykroyd tocaram juntos no House of Blues de Las Vegas.

Assim como o disco ao vivo de 1978, outras gravações piratas podem ser encontradas no site “Blues Brothers Central”. O show “Live at Universal Amphitheatre”, de 1980, e a apresentação de 1992 “Blues for you”, com Larry Thurston e Eddie Floyd nos vocais. O registro do show em 1999, “Live from House of Blues in Las Vegas”, com Jim Belushi, Dan Aykroyd e John Goodman nos vocais, também pode ser encontrado.


BLUES BROTHERS AT SATURDAY NIGHT LIVE


Blues Brothers – I’m a king bee

http://www.4shared.com/file/9283442/5c163324/1978_The_Blues_Brothers_Band_-_King_Bee_at_SNL.html

1978 BRIEFCASE FULL OF BLUES

1. Opening_I can't turn you loose
2. Hey bartender
3. Messin' with the kid
4. Almost
5. Rubber biscuit
6. Shotgun blues
7. Groove me
8. I don't know
9. Soul man
10. 'B' movie box car blues
11. Flip, flop & fly
12. Closing_I can't turn you loose
http://www.4shared.com/file/17246720/f2ad9075/1978_Briefcase_Full_of_Blues.html

1980 BLUES BROTHERS ORIGINAL SOUNDTRACK

1. She caught the Katy
2. Peter Gunn theme
3. Gimmie some lovin’
4. Shake your tailfeather (Com Ray Charles)
5. Everybody needs somebody to love
6. We're on a mission from God. (Dialogue with Dan Aykroyd)*
7. The old landmark (Com James Brown)
8. Think (Com Aretha Franklin)
9. Rawhide theme
10. Minnie the moocher (Com Cab Calloway)
11. It's 106 miles to Chicago (Dialogue with Dan Aykroyd)*
12. Sweet home Chicago
13. Jailhouse rock
14. Stand by your man*
15. Sink the Bismarck*
16. Cuando, cuando, cuando (Com Murph and The Magic Tones)*
17. Boom boom (John Lee Hooker)*
18. Everybody needs somebody to love (Extended version)*

*O disco original da trilha Sonora encerra em “Jailhouse rock”, mas houve uma liberdade de incluir, “Stand by your man” tocada no filme após o tema de Rawride, “Sink the Bismark” foi excluída do roteiro, após ser gravada, “Cuando, cuando, cuando”, foi a música que os integrantes do Blues Brothers tocavam no inferninho, com a banda Murph and The Magic Tones, “Boom boom” é tocada por John Lee Hooker no meio da rua e assistida pelos irmãos blues, e a versão dos créditos de “Everybody needs somebody to love”. Houve também a liberdade de incluir diálogos originais do filme. Todas as músicas e os diálogos podem ser encontrados no site “Blues Brothers Central".

http://www.4shared.com/file/9282380/a35e6ce4/1980_Blues_Brothers_Original_Soundtrack.html

1980 MADE IN AMERICA

1. Soulfinger
2. Who's making love
3. Do you love me (Including 'mother popcorn (You got to have a mother for me))
4. Guilty
5. The Perry Mason theme
6. Riot in cell block number nine
7. Green onions
8. I ain’t got you
9. From the bottom
10. Going back to Miami

http://www.4shared.com/file/9283394/594fed9/1980_Made_in_America.html

1980 SINGLE

1. Excusez moi mon cherrie
2. Expressway to your heart

http://www.4shared.com/file/9283435/8d333040/1980_Single.html

1990 LIVE IN MONTREUX


1. Hold on I'm comin'
2. In the midnight hour
3. She caught the Katy
4. The thrill is gone
5. I can't turn you loose
6. Sweet home Chicago
7. Knock on wood
8. Raise your hand
9. Peter Gunn theme
10. Soulfinger
11. Hey bartender
12. Soul man
13. Everybody needs somebody to love
14. Green onions

http://www.4shared.com/file/9286086/c719e0df/1990_Live_in_Montreux_Part_1.html
http://www.4shared.com/file/9286668/baaf9ce4/1990_Live_in_Montreux_Part_3.html


1997 RED, WHITE & BLUES

1. You got the bucks
2. Red, white & blues
3. Can't play the blues (In air-conditioned room)
4. Early in the morning
5. One track train
6. Boogie thing
7. Never found a girl
8. Trick bag
9. Take you and show you
10. Big bird

http://www.4shared.com/file/9284182/6bbf867a/1992_Red_Wthite__Blues.html

1997 LIVE FROM CHICAGO’S HOUSE OF BLUES

1. Intro
2. Green onions
3. Chicken shack
4. Sweet home Chicago
5. I wish you would
6. Messin' with the kid
7. All my money back
8. Born in chicago
9. Blues, why you worry me?
10. Groove with me tonight
11. 634-5789
12. All she wants to do is rock
13. Flip, flop & fly
14. Money (That's what I want)
15. Viva Las Vegas

http://www.4shared.com/file/9284679/7eba55b8/1997_Live_from_Chicagos_House_of_Blues_Part_1.html
http://www.4shared.com/file/9285111/9bc80bec/1997_Live_from_Chicagos_House_of_Blues_Part_2.html

1998 BLUES BROTHERS 2000 ORIGINAL SOUNDTRACK

1. Born in Chicago (Com The Paul Butterfield Blues Band)
2. The blues don't bother me (Com Matt ‘Guitar’ Murphy)
3. Hamonica musings (Com John Popper)
4. Cheaper to keep her
5. Perry Mason theme
6. Looking for a fox
7. I can’t turn you loose
8. Respect (Com Aretha Franklin)
9. 634-5789 (Com Wilson Picket, Eddie Floyd & Johnny Lang)
10. Maybe I'm wrong (Com Blues Travelers)
11. Riders in the sky (A cowboy legend)
12. John the revelator (Com Sam Moore & James Brown)
13. Let there be drums (Com Carl La Fong Trio)
14. Season of the witch (Com Dr. John)
15. Funky Nassau (Com Erykah Baduh)
16. Hown blue can you get (Com Lousiana Gator Boys)
17. Turn on your lovelight
18. New Orleans
19. Been downhearted baby (Com Lousiana Gator Boys)*

*A música “Been downhearted baby” não foi incluída na trilha sonora original, mas foi tocada pela banda magnífica formada por Eric Clapton, Koko Taylor, Issac Hayes, Bo Diddley, Billy Preston, Joshua Redman, Charlie Musslewhite, Steve Winwood, Jimmie Vaughan, entre tantos outros medalhões do rythym blues. Eles foram os Louisiana Gator Boys.

http://www.4shared.com/file/9285407/6d7b5d73/1998_Blues_Brothers_2000_Original_Soundtrack_Part_1.html

Compre os CDs originais pelo site Blues Brothers Central.

terça-feira, 3 de outubro de 2006

BAIANO E OS NOVOS CAETANOS

Chico Anysio e Arnaud Rodrigues criaram uma paródia com Caetano Veloso e os Novos Baianos. No final da década de 60, quando Caetano e Gilberto Gil foram exilados do país, a trupe de Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Baby Consuelo e Paulinho Boca de Cantor ficou conhecida como Novos Baianos, como eles mesmos se intitularam.

Na televisão, Chico Anysio fazia sucesso com Chico City, onde junto com Arnaud Rodrigues interpretavam diversos personagens. Num desses quadros surgiram Baiano e os Novos Caetanos. O grande sucesso da dupla foi “Vô batê pra tu”. O primeiro disco foi lançado em 1974. No ano seguinte, 1975, a dupla lançou outro disco do “Baiano e os Novos Caetanos 2”, mas também lançaram outros discos como “Azambuja & Cia” e “Chico Anysio ao Vivo”, onde o humorista fazia um show com textos de Arnaud Rodrigues.

Em 1982 foi lançado o disco “A volta”, creditado a Baiano e os Novos Caetanos. Em 1985 foi lançado o “Sudamérica”, também creditado a Baiano e os Novos Caetanos.

Arnaud Rodrigues ainda lançou vários discos solo, como Sound & Pyla”, “Murituri”, e “O som do Paulinho”, Paulinho é o personagem que ele fazia na dupla Baiano e os Novos Caetanos. No final dos anos 80, Chico Anysio ainda lançou mais um disco com o personagem Baiano. Foi o disco “Baiano e Amaralina”, onde a parte feminina imita a ninguém menos que Elba Ramalho.

Chico Anysio, após o final de Chico Anysio Show, lançou a Escolinha do Professor Raimundo e ficou anos somente com este personagem. Hoje em dia ele se dedica mais a carreira de ator, fazendo participações em cinema, programas infantis e novelas televisivas.

Arnaud Rodrigues continuou com o humorismo na Praça é nossa, onde criou a dupla sertaneja Chitãozinho e Chororó, junto com Marcelo Nóbrega, neto de Manuel da Nóbrega, criador da Praça é nossa e do Carnê do baú.

1974 Baiano e os Novos Caetanos

1. Vô batê pa tu
2. Nega
3. Cidadão da mata
4. Urubu ta com raiva do boi
5. Aldeia
6. Ciranda
7. Folia de rei
8. Veio Zuza
9. Selva de feras
10. Tributo ao regional
11. Dendalei
http://www.4shared.com/file/10094205/6ccc572c/1974_Baiano_e_Novos_Caetanos.html

1975 Baiano e os Novos Caetanos 2

1. Perereca
2. Ameriqueiro
3 Forró 4. Sete luas
5. Entardecer na fazenda
6. Yo no quiero saber
7. Três macaquinhos
8. Ciranda
9. Apocalipse
10. Violamania

http://www.4shared.com/file/10095314/bbae5ba9/1975_Baiano_e_os_Novos_Caetanos_2.html



1975 Azambuja & Cia

1. Nega brechó
2. Ao bililico
3. Tema de Azambuja
4. Monólogo nº 1
5. Maristela
6. O poste da rua Jorge de Lima
7. Verde
8. A turma
9. Monólogo nº 2

http://www.4shared.com/file/10094891/b7f4adaa/1975_Azambuja__Cia.html

1982 A Volta

1. Buchada
2. Painho
3. Pindorama
4. Mexendo com as menina
5. Beija-fulo
6. Fauna
7. Só pá dá um toque
8. Caminhoneiro
9. Casamento do sapo
10. Arriscando um jejum
11. Forrofofó
12. Vida caipira

Baixe aqui pelo Eu Ovo


1985 Sudamérica

1. Na boca do povo
2. Forró do Zé Mane
3. Cego é quem não quer ver
4. Pica-pau
5. Festa do algodão
6. Sudamérica
7. Dance people
8. O brasileiro
9. Catira caipira
10. Tanto fez e tanto faz

http://www.mediafire.com/?9xzb1ddvym1

Todos os outros CDs estão fora de catálogo.

sexta-feira, 22 de setembro de 2006

EU QUERIA TER UM LANÇA-CHAMAS

Zéu Brito é conhecido por suas participações nos seriados globais “A Diarista” e “Sexo frágil”. Zéu nasceu José Carlos Brito Filho, em Jequié, interior da Bahia. Começou no teatro com o grupo “Los Catedráticos”. Gravou músicas para a trilha sonora dos filmes “Lisbela e o prisioneiro” e “Meu tio matou um cara”, de onde saiu o clássico “Soraya Queimada”.

“Eu queria ter um lança-chamas, eu queria ter uma fogueira, eu queria ter somente um fósforo. Eu queria ter uma vela acesa pra queimar Soraia, pra ver torrar seu couro. Pra deixar somente o osso exposto ao sol” (...)

Pra expor a obra deste baiano incorrigível deve-se apenas recitar trechos de suas letras, como “Maria vai com as ondas”.

(...) “Maria se jogou no mar, subiu num barco alheio e foi parar em Itaparica. Maria se sentiu legal, e bebeu água do mar pra combater sua larica.” (...)

Outras canções de Zéu, são as hilárias “Vou queimar seu peito com isqueiro” e “Hino em louvor à raspada”.


2005 SALIVA-ME

1. Vou queimar seu peito com isqueiro
2. Hino em louvor à raspada
3. Soraya Queimada
4. Noite de motel
5. Mirabel molhado
6. Brega de Leila
7. A dama de ouro
8. Ousadia no fundo do mar
9. Lençol de casal
10. Azia
11. Maria vai com as ondas
12. Acabou (bônus track)

http://www.mediafire.com/?1x8yyp1xb0i

Compre o CD do Zéu Brito.

quarta-feira, 6 de setembro de 2006

BACKSTAGE DE BAMBAS & BIRITAS


Tá todo mundo ai! Olha só!

terça-feira, 5 de setembro de 2006

BAMBAS & BIRITAS

O primeiro disco solo de BiD, Bambas & Biritas Volume 1 de 2005, juntou uma banda formada por Carlos Daffé no piano e vocal, Marku Ribas na percussão e vocal, Rocco BiD na bateria e vocal, Lula Barreto no baixo, Bruno Buarque na percussão e samplers e o próprio BiD na guitarra, craviola e vocal.

A carreira de BiD começou tocando com Supla na banda Tokyo. Depois disso BiD integrou o Professor Antena e Funk como Le Gusta, que também produziu. Além de produzir o Afrociberdelia do Chico Science & Nação Zumbi, BiD também produziu Pavilhão 9, Mundo Livre S/A e Da Weasel.

Carlos Daffé tocou com piano com Tim Maia, Dom Salvador e Banda Black Rio, sempre foi figura chave na black music brasileira. Marku Ribas tocou com João Donato e até com os Rolling Stones, e também lançou discos maravilhosos entre eles com o Clube do Balanço. Lula Barreto acompanhou Gérson King Combo e fundou a banda União Black nos anos 70, com a qual excursiona novamente.

Rocco BiD tocava na banda Tokyo ao lado do irmão, BiD, e mora há 15 anos nos Estados Unidos, onde estuda e aprimora a técnica. Bruno Buarque faz parte da banda Barbatuques, onde aprimora a percussão mesclando o tradicionalismo com o experimentalismo dos samplers.

Com este disco, BiD lançou-se no mercado brasileiro com auxílio luxuoso. Entre as participações especiais estão Black Alien, DJ Soul Singer, Happin’ Hood, Funk Buia, Seu Jorge, Elza Soares, Cine-Lândia, Dasez, Muhammad Murashir, Chico Science e Dú Peixe.

BiD mostrou porque foi tão festejado e a demora em lançar um trabalho solo valeu a pena.
2005 Bambas & Biritas Vol. 1

1. Não pára (com Carlos Daffé)
2. Na noite se resolve (com Black Alien & DJ Soul Singer)
3. Maestro do Canão (com Rappin' Hood & Funk Buia)
4. E depois... (com Seu Jorge)
5. Fora do horário comercial (com Marku Ribas)
6. Mandingueira (com Elza Soares)
7. Saudades da Black Rio (com Carlos Daffé)
8. Soul survivor (com Dasez & Muhammad Murashir)
9. Terra vista (com Cine-Lândia)
10. Roda rodete rodeano [Zambo Mix] (com Chico Science & Dú Peixe)
11. Estou bem longe [do que me faz mal]

Fotos: Carol Quintanilha

quinta-feira, 31 de agosto de 2006

DESCOBRINDO A BOSSA NOVA

João Gilberto nasceu na Bahia em Juazeiro, e mudou-se para Salvador com a intenção de ser crooner. Passou a integrar o grupo Garotos da Lua em 1950 no Rio de Janeiro e lançou dois compactos (publicados anteriormente). Foi expulso do grupo por ser indisciplinado.

Após a saída do grupo, João passou um período obcecado em criar uma nova maneira de tocar violão. Foi quando conheceu Tom Jobim, que influenciados pelo jazz norte-americano criaram a bossa nova.

João Gilberto inventou um estilo de tocar violão, que não necessitava de acompanhamento, numa sonoridade elegante e sofisticada do ritmo sincopado da percussão do samba. Quanto a técnica vocal da bossa nova, a novidade era o modo uniforme de cantar, sem vibrato, e num fraseado único antecipando ou posterior à base rítmica.

Em 1958 João lançou seu primeiro LP, "Chega de Saudade", que trazia a canção título. A música foi um sucesso imediato e lançou a carreira de João Gilberto, bem como o movimento bossa nova.

No inicio dos anos 60, a bossa nova já era sucesso absoluto, inclusive no meio que a influenciara, o jazz norte-americano. João Gilberto gravou um disco ao vivo com Herbie Mann e Tom Jobim em 1962. Porém foi com o convite do saxofonista Stan Getz, que a bossa nova alcançou sucesso mundial.

O disco chamou-se "Getz & Gilberto" e foi sucesso absoluto, continuando até os dias de hoje. O álbum trazia as performances de Stan Getz no saxofone tenor, João Gilberto na voz e violão, Tom Jobim no piano, Sebastião Neto no baixo, Milton Banana na bateria e a estréia de Astrud Gilberto nos vocais (veja Astrud cantando The girl from Ipanema com Stan Getz na publicação anterior) .

O álbum foi produzido por Creed Taylor, lendário produtor de jazz, que deixou a obra na gaveta por um ano, antes de lançar o disco. As gravações transformaram Astrud, então esposa de João, na porta-voz internacional da bossa nova.

Pra quem não curte bossa nova e detesta o bim-bom-bom do pato que vinha cantando alegremente, quein-quein, este disco é uma boa oportunidade para se apaixonar por este estilo musical genuinamente brasileiro. Digo isso com conhecimento de causa, pois, detestava a bossa nova, mas após ouvir esse disco, passei a cultuá-la como grande criação brasileira.

Eu considero este álbum o primeiro passo pra quem quer aprender a gostar de bossa nova. Vale a pena conferir.


1964 GETZ & GILBERTO

1. The girl from Ipanema
2. Doralice
3. Pra machucar meu coração
4. Desafinado (off key)
5. Corcovado (quiet night of quiet stars)
6. Só danço samba
7. O grande amor
8. Vivo sonhando (dreamer)

Compre o CD Getz & Gilberto.

quarta-feira, 30 de agosto de 2006

NÃO É A GISELE - MAS É DE IPANEMA

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

BIM BIM BOM BOM

João Gilberto ficou com fama de desafinado, mas a verdade seja dita, ainda esta para existir cantor tão afinado quanto ele.

Os mesmos que pregavam a desafinação de João Gilberto são aqueles que não têm o ouvido apurado e não conseguem identificar o estilo criado por João Gilberto. A resposta a esses detratores de ouvido desprivilegiado veio nos versos da canção “Desafinado”, “Só privilegiados têm o ouvido igual ao seu, eu possuo apenas o que deus me deu...”.

Acontece que João Gilberto encontrou no jazz a inspiração para o seu cantar, fazendo na voz o que os intrumentistas do jazz faziam em seus instrumentos. O estilo musical ficou conhecido como “Bossa nova” e catapultou a carreira de João Gilberto, bem como a de Tom Jobim.

O estilo musical influenciou posteriormente o mesmo jazz norte-americano que tanto havia influenciado os brasileiros.

Antes de lançar seu primeiro long-play (LP), João Gilberto lançou cinco compactos simples de 78 rotações, que estão reunidos aqui neste único arquivo.

1950 - Garotos da Lua -78 rpm - Todamerica
A - Quando Voce Recordar (Valter Souza/Milton Silva)
B - Amar é Bom (Zé Keti/Jorge Abdala)

1951 - Garotos da Lua - 78 rpm - Todamerica

A - Anjo Cruel (Wilson Batista/Alberto Rego)
B - Sem Ela (Raul Marques/A.Ribeiro)

1952 - João Gilberto - 78 rpm - Copacabana

A - Quando Ela Sai (Alberto Jesus/Roberto Penteado)
B - Meia Luz (Hianto de Almeida/João Luiz)

1958 - João Gilberto - 78 rpm - Odeon

A - Chega de Saudade (Tom Jobim/Vinicius de Moraes)
B - Bim Bom (João Gilberto)

1959 - João Gilberto - 78 rpm - Odeon

A - A Felicidade (Tom Jobim/Vinicius de Moraes)
B - O Nosso Amor (Tom Jobim/Vinicius de Moraes)

http://www.mediafire.com/?1ucctnejmgz


Todos compactos estão fora de catálogo, para compra na internet.

terça-feira, 22 de agosto de 2006

BOTAR... BLOCO... RUA...

sexta-feira, 18 de agosto de 2006

SAMPAIÓFILOS REGOZIJAI-VOS

Quando Sergio Sampaio saiu de Cachoeiro do Itapemirim, ele queria conquistar o mundo. Mas acabou não estando preparado para isso. Sergio era locutor de radio na sua cidade natal, a mesma cidade natal de Roberto Carlos, seu pai Raul Sampaio, maestro da banda de música da cidade, e quem compôs “Cala a boca, Zébedeu”, cantada pelo filho anos mais tarde.

Foi na rádio de Cachoeiro de Itapemirim que Sergio aprofundou seus conhecimentos musicais. Porém foi no rio de Janeiro, após passar por muitas dificuldades como morar na rua e dormir embaixo de marquises, Sergio foi convidado para acompanhar um amigo ao violão, durante um teste na gravadora CBS. Foi atendido por um tal de Raul dos Santos Seixas, que então era produtor da gravadora. Depois que Odibar, o amigo de Sampaio, cantou suas canções, Raulzito não se mostrou muito satisfeito. Sampaio aproveitou para emendar uma de suas músicas, Raulzito gostou e pediu para ouvir mais uma, e ouviu “Côco verde”. Sampaio desfilou uma série de canções de seu próprio repertório. Quando saíram da gravadora, Sampaio e Odibar, Raulzito cochichou ao pé do ouvido de Sampaio, “volte amanhã”.

Nasceu uma amizade que chegou até influenciar a carreira do próprio produtor musical, que já havia desistido de sua própria carreira. Quando se encontraram no dia seguinte os dois iniciaram uma pareceria musical que rendeu inúmeros sucessos. Sampaio foi convidado a virar compositor da gravadora, e compôs musicas interpretadas pelo Trio Ternura, José Roberto, Renato & seus Blue Caps e Tony & Frankie. Raul também produziu o primeiro compacto de Sergio Sampaio em 1971, com as músicas “Côco verde” e “Ana Juan”.

Raul também produziu um disco para Leno em 1971, antigo parceiro de Lílian na dupla Leno & Lílian que cantavam “Pobre menina” na primeira fase da Jovem Guarda. O disco “Vida e obra de Johnny McCartney” foi mutilado pela censura e arquivado pela gravadora CBS. Porém, Raul Seixas viu na parceria com Sergio Sampaio uma boa oportunidade de aprofundar seu projeto musical de compor um disco conceitual mais ousado que o disco de Leno. Raul e Sergio gravaram o disco, com participações de Edy Star e Miriam Batucada. Este disco ficou conhecido como "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das dez", também de 1971.


Aproveitando a viagem do diretor da gravadora, Evandro Ribeiro, Raul Seixas lançou o LP, e quando Ribeiro retornou, teve que recolher os discos das lojas e meter um cabresto no seu produtor musical. Raul ainda produziu o segundo compacto para Sampaio em 1972, com as músicas “Classificados nº 1” e “Não adianta”.

Raul foi para a gravadora Phillips e levou Sampaio junto. Foi para a gravadora Phillips, que Sampaio gravou seu maior sucesso, A canção “Eu quero é botar meu bloco na rua”. A canção foi um sucesso e tocou a exaustão nas rádios. A gravadora encomendou um LP, produzido por Raul Seixas. A Phillips queria outro sucesso como o primeiro, mas Sampaio gravou um disco cheio de músicas com letras complicadas e difíceis.

O primeiro sucesso assustou Sampaio que se tornou arredio e paranóico. Após um compacto em 1974, com as músicas “Meu pobre blues” e “Foi ela”, Sampaio se desligou da gravadora Phillips e se afastou do show business. Em 1975, Sampaio gravou um compacto para a gravadora Continental, com as músicas “Velho bandido” e “O teto da minha casa”. No ano seguinte lançou o segundo LP, “Tem que acontecer”. O disco foi um relativo sucesso, mas o cantor não participou da divulgação, o que prejudicou as vendas. Em 1977, Sampaio gravou seu último compacto pela Continental, com as músicas “Ninguém vive por mim” e “História de um boêmio (Um abraço no Nelson Gonçalves)”.

Sampaio ficaria anos afastado, sempre com crises de tuberculose e outros problemas de saúde, acarretados pela sua boemia. Em 1983, Sampaio lançou o terceiro LP “Sinceramente” por um selo independente Gravina, mas o LP passou despercebido no meio da febre new wave da música popular brasileira.

Sampaio ficou no ostracismo, relegado apenas ao circuito universitário e de pequenos bares e boates. Em 1983 após participar de um show com Raul Seixas em Salvador, Sampaio recebeu convite para gravar um novo disco pelo selo Baratos Afins. Chegou a gravar o repertório numa gravação caseira, mas em 1994, faleceu no Hospital IV Centenário de Santa Tereza no Rio de Janeiro, após uma crise de pancreatite crônica.

Sergio Natureza, amigo intimo de Sampaio, organizou o disco de tributo “O balaio do Sampaio” com vários artistas, entre eles Eduardo Duzek, Chico César, Lenine e Zeca Baleiro. Foi Baleiro quem assumiu a responsabilidade de produzir a fita de material inédito de Sergio Sampaio. Este disco foi finalmente lançado em 2006 com o título “Cruel”.

Existe ainda um disco do Sergio Sampaio lançado apenas na Internet com o título de “Disco inédito” ou “Cru”. Este disco tem todas as músicas do lançamento de 2006 e outras duas inéditas como “Destino trabalhador” e “Chuva fina”. Existe ainda uma gravação ao vivo de Sampaio com a música “Menino João”, esta gravação esta incluída no link deste “Disco Inédito”.

1971 Compacto (Côco verde)

1. Côco verde
2. Ana Juan

http://www.mediafire.com/?c4dzzngm4g2

1972 Compacto (Classificados nº 1)

1. Classificados nº 1
2. Não adianta

http://www.mediafire.com/?c2mbb7xrnm2

1973 Eu quero é botar meu bloco na rua

1. Lero e leros e boleros
2. Filme de terror
3. Cala a boca Zébedeu
4. Pobre meu pai
5. Labirintos negros
6. Eu sou aquele que disse
7. Viajei de trem
8. Não tenha medo, não (rua Moreira, 65)
9. Dona Maria de Lourdes
10. Odete
11. Eu quero é botar meu bloco na rua
12 Raulzito Seixas

http://www.4shared.com/file/28105389/6ff1640d/1973_Eu_Quero__Botar_Meu_Bloco_na_Rua.html

1974 Compacto (Meu pobre blues)

1. Meu pobre blues
2. Foi ela

http://www.mediafire.com/?5391ibxfdgb

1975 Compacto (Velho bandido)

1. Velho bandido
2. O teto da minha casa

http://www.mediafire.com/?exofobzt1em

1975 Convocação geral nº 2 Som Livre

Sergio Sampaio – Cantor de rádio

http://www.mediafire.com/?5woowmyyi0z


1976 Tem que acontecer

1. Até outro dia
2. Que loucura
3. Cada lugar na sua coisa
4. Cabras pastando
5. Velho bode
6. O que pintar, pintou
7. A luz e a semente
8. Quanto mais
9. Tem que acontecer
10. Quatro paredes
11. Filho do ovo
12. Velho bandido

http://www.4shared.com/file/28108946/ac066b9b/1976_Tem_Que_Acontecer.html

1977 Compacto (Ninguém vive por mim)

1. Ninguém vive por mim
2. História de um boêmio (um abraço no Nelson Gonçalves)

http://www.mediafire.com/?ayfmnwcwpj1

1983 Sinceramente

1. Homem de trinta
2. Na captura
3. Tolo fui eu
4. Só para o seu coração
5. Essa tal de mentira
6. Meu filho, minha filha
7. Cabra cega
8. Sinceramente
9. Nem assim
10. Doce melodia (com Luiz Melodia)
11. Faixa seis

http://www.4shared.com/file/28127090/ddb9c85a/1982_Sinceramente.html

1994 Disco Inédito (ou Cru)

1. Em nome de Deus
2. Roda morta ou reflexões de um executivo
3. Polícia, bandido, cachorro e dentista
4. Brasília
5. Quero encontrar um amor
6. Magia pura
7. Muito além do jardim
8. Destino trabalhador
9. Pavio do destino
10. Uma quase mulher
11. Rosa púrpura de Cubatão
12. Chuva fina
13 Menino João (bônus track ao vivo)

http://www.4shared.com/file/28114243/a78fe6fd/1994_Disco_Indito.html

1998 Balaio do Sampaio

1. Sergio Sampaio - Eu quero é botar meu bloco na rua (Remasterizada)
2. Chico Cesar - Em nome de Deus
3. Erasmo Carlos - Feminino coração de Deus
4. João Bosco - Rosa púrpura de Cubatão
5. Zeca Baleiro - Tem que acontecer
6. Zizi Possi – Meu pobre blues
7. Lenine - Pavio do destino
8. João Nogueira - Até outro dia
9. Eduardo Duzek - Velho bode
10. Renato Piau - Que loucura
11. Járds Macalé - Velho bandido
12. Luiz Melodia - Cala a boca Zébedeu
13. Elba Ramalho - Eu quero é botar meu bloco na rua

http://www.4shared.com/file/28118303/88f7f676/1998_Balaio_do_Sampaio.html

2006 Cruel

1. Em nome de Deus
2. Roda morta
3. Polícia, bandido, cachorro e dentista
4. Brasília
5. Magia pura
6. Rosa púrpura de Cubatão
7. Muito além do jardim
8. Real beleza
9. Pavio do destino
10. Quero encontrar um amor
11. Quem é do amor
12. Cruel
13. Uma quase mulher
14. Maiúsculo

http://www.mediafire.com/?0imypvna2wl

Compre o Sergio Sampaio em CD; Eu quero botar meu bloco na rua, Tem que acontecer e Cruel.

Como Bônus para quem não conseguiu baixar os discos - pelos links expirados - segue um registro de Sérgio Sampaio ao vivo - muito provavelmente registro de 1988, com as músicas, Dona Maria de Lourdes, Dadim, Eu quero botar meu bloco na rua (com duas versões - uma delas com participação de Jards Macalé) e Quero ir.

http://www.4shared.com/file/28120851/95cfdec1/1988_Ao_Vivo.html

Outro show ao vivo do Sérgio Sampaio gerou outro arquivo MP3, com um medley de canções do compositor capixaba. Vejam o link abaixo, do show no Centro Cultural Banco do Brasil.

http://www.4shared.com/file/28121188/eed044c2/1978_Ao_Vivo_CCBB.html